quinta-feira, 5 de setembro de 2013

FEZ-SE BOOK



                           passava as tardes exposta na prateleira
                       que era o umbral de sua porta
                farejando alguém que viesse folheá-la
                              com os dedos úmidos
                                   como um livro

Lelê Teles

Um comentário:

Emanuel Lopes Ferreira Galvão disse...

Inteligência pura.
Poesia atrevida.
Arte e cultura.
Gozo e vida.
Na tua escritura.

Um poema para homenagear um poeta valoroso.

Grande abraço!